Blog

Home > Blog > Sem categoria > Osteopatia Pediátrica: Deformidades do Crânio do Bebê

Osteopatia Pediátrica: Deformidades do Crânio do Bebê

17 de fevereiro de 2022
Nenhum comentário

Por Profa Laís Cristina Almeida, Ft, Psic, Me, ESP, DO

 

Deformidades Posicionais do Crânio do Bebê

Os diversos ossos do crânio são interligados através de suturas e espaços denominados fontanelas que na criança não são fusionados. A fusão da maioria das suturas acontece entre 2 e 24 meses. Esta particularidade permite que o crânio seja compressível durante o parto e o crescimento do cérebro. A cabeça do bebê é, portanto, frágil e maleável e assim apoios prolongados ou pressões fortes sobre o crânio pré ou pós natal podem deformá-lo. Então as deformidades podem estar presentes desde o nascimento e se instalar progressivamente durante os primeiros meses de vida. Uma criança em três apresenta deformidade craniana.

 

Causas das Deformidades Posicionais do Crânio

 

Na Gestação e Durante o Parto

Pressões prolongadas sobre o crânio; espaço uterino limitado; aumento do líquido amniótico; posição inadequada do bebê (sentada, transversa); gravidez múltipla; gestante acamada por muito tempo; falta de vitamina D; apresentação do bebê de forma inadequada; encaixe prematuro do bebê; prematuridade; pelve estreita; trabalho de parto prolongado; uso de fórceps, ventosa, etc.

Durante as Primeiras Semanas do Bebê

Presença de rotação da cabeça preferencialmente para um lado; bebê alimentado sempre do mesmo lado; ficar muito tempo em decúbito dorsal; torcicolos; falta de mobilidade global do bebê; contato prolongado da cabeça sobre uma superfície; alimentação através de mamadeira: criança com a cabeça apoiada sempre do mesmo lado do braço da mãe; falta de estimulação do bebê.

Evitando as causas acima pode-se prevenir e potencializar o tratamento das deformidades.

 

Considerações sobre o Reflexo Tônico Cervical Assimétrico

É um reflexo primitivo, desencadeado por mudança da posição da cabeça em relação ao tronco e está presente no primeiro trimestre de vida. Ele é consequente da tendência da criança em manter a cabeça voltada para um ou outro lado se manifestando tanto na rotação para a esquerda quanto para direita.

Essa assimetria postural cefálica provoca mudanças tônicas assimétricas nos músculos do pescoço. É frequente que a assimetria seja mais nítida nos membros superiores. Aparece em decúbito dorsal e ventral sendo importante para o conhecimento do corpo e sua situação no espaço. Em decúbito dorsal os membros do lado fascial estendem-se e do lado nucal flexionam-se. Em decúbito ventral ocorre o oposto. A manutenção rígida desse padrão para qualquer um dos lados é considerada patológica.

A semi-rotação lateral na qual a criança é mantida nos braços maternos durante a mamada coincide com a atitude imposta naturalmente pelo predomínio tônico cervical assimétrico nos primeiros 3 meses de vida.

O reflexo tônico cervical assimétrico desaparece entre o quarto e quinto mês de vida e permite ao bebê alinhar a cabeça e aos membros adotarem uma posição simétrica e assim levar as mãos para a linha média.

Atenção ao examinar o bebê para distinguir o reflexo tônico cervical assimétrico de padrões disfuncionais  de rotação preferencial para um lado.

 

 

Diferentes Tipos de Deformidades Posicionais do Crânio

Plagiocefalia, braquiocefalia e dolicocefalia.

Cada um desses tipos de deformidade é classificado em 3 estágios: leve, moderado e severo.

 

Plagiocefalia

É a mais frequente das deformidades cranianas, presente em 85% dos casos. A plagiocefalia posicional se caracteriza por um achatamento assimétrico da parte posterior do crânio. Nas formas mais acentuadas observa-se uma anteriorização da hemiface do lado comprometido, uma bossa frontal e um desalinhamento das orelhas. A cabeça do bebê tem a forma de um paralelograma.

Figura 1 – Plagiocefalia no plano transverso. Fonte: Cedido por Philippe Manuard.

 

Braquiocefalia

A braquiocefalia posicional se caracteriza por um achatamento do conjunto da parte posterior do crânio. Perda do arredondado da parte posterior do crânio, um alongamento do alto da cabeça e uma fronte proeminente.

Figura 2  – Braquiocefalia no plano transverso. Fonte: Cedido por Philippe Manuard.

 

Figura 3 – Braquiocefalia no plano sagital. Fonte: Cedido por Philippe Manuard.

 

Dolicocefalia

A dolicocefalia posicional é uma deformidade craniana pouco frequente. É, sobretudo, presente em bebês prematuros e naqueles que ficaram em posição sentada na gravidez. O crânio do bebê se apresenta alongado e muito estreito.

Figura 4 – Dolicocefalia no plano transverso. Fonte: Cedido por Philippe Manuard.

 

Combinação de Deformidades Posicionais

Pode haver nos bebês combinação de deformidades, tais como: Plagiocefalia e Braquiocefalia; Plagiocefalia e Dolicocefalia.

 

Deformidade não Posicional do Crânio: Craniossinostose

A craniossinostose é a consequência de um fechamento de uma ou mais suturas prematuramente. Em função da sutura ou suturas afetadas a  cabeça apresenta- se com formas diversas. A fusão prematura das suturas impede o crescimento perpendicular do crânio. O aumento do volume do cérebro levará a um crescimento compensatório paralelo do crânio. O diagnóstico é confirmado através de exames de imagem e o tratamento indicado é o cirúrgico.

 

Relação entre Plagiocefalia, Torcicolo e Escoliose

Na literatura encontra-se associação do torcicolo com a plagiocefalia e com a escoliose infantil em uma proporção maior que 85%. A escoliose leva a uma deformidade progressiva do tórax do bebê. Se o bebê gira a cabeça preferencialmente para a direita, pode desenvolver uma convexidade torácica à esquerda.

Figura 5 – Plagiocefelia e escoliose: deformidade do crânio e do tórax (A e C ambos normais; B e D plagiocefalia e escoliose). Fonte: DORFMANN, 2004.

 

Você deseja ter uma gestação mais saudável, prevenindo futuras disfunções para você e seu bebê?

O seu bebê apresenta algum desses sinais ou sintomas descritos acima?

 

MARQUE UMA CONSULTA COM A EQUIPE EBOM PARA VOCÊ E SEU BEBÊ: (31) 32271662 ou (31) 999845781

 

Para saber sobre o Curso de Osteopatia Pediátrica ou outros Cursos da EBOM clique aqui ou ligue para (31) 996711661. Conheça nosso instagram: @ebomescolaclinica

 

Referências

BONETTI, C. L. Escolioses. In: BARROS FILHO, Tarcísio, E. P. de ; BASILE JUNIOR, Roberto. Coluna vertebral. São Paulo: Savier; 1995. p. 77-90

CHIROPRACTEUR, J. Les différents types de déformations crâniennes. Disponível em: <https://www.chiropraxie-lyon.com/blog/articles/les-differents-types-de-deformations-craniennes>. Acesso em: 02 fev 2022.

DORFMANN, H. (Coord.). Scoliose idiopathique de l’enfant et de l’adulte. Paris: Elsevier, 2004.

FAJARDO, F. Tratado Integral de Osteopatía Pediátrica. Madrid: Dilema, 2013.

GHIZONI, E.  et al. Diagnóstico das deformidades cranianas sinostóticas e não sinostóticas em bebês: uma revisão para pediatras. Revista Paulista de Pediatria, v. 34, p. 495-502,  2016.

MOE, J. H. et al. Scolioses and Others Spinal Deformities. Philadelphia: Orthopaedic Surgery, 1978.

WYNNE-DAVIES, R. Familial (Idiopathic) Scoliosis. London, The Journal of Bone Joint Surgery. v. 50 – B, n. 1, 1968.

Tags:
#achatamento #amamentação #assimetria #atitude de esgrimista #bebê #braquiocefalia #comunicação do bebê #crânio #craniossinostose #deformidades cranianas #deformidades posicionais #desenvolvimento motor #desenvolvimento sensoriomotor #diferenciação #dolicocefalia #encaixe #escoliose #escoliose infantil #espaço uterino #fontanelas #fusão #gestação #gravidez #mãe #maturação psicomotora #osteopatia #parto #plagiocefalia #prematuridade #reflexo #reflexo arcaico #reflexo tônico cervical assimétrico #suturas #torcicolos #tratamento #tratamento osteopático pediátrico #útero #zona oral

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.